terça-feira, 27 de setembro de 2016

Caminhada da Feira d'Aires (25SET16)









Em 25SET16, a Associação dos Amigos das Alcáçovas, através do seu Projeto Alcáçovas Outdoor Trails organizou a caminhada anual da Feira d'Aires, em Viana do Alentejo.
Com cerca de 60 participantes de todas as idades, percorremos em cerca de 01H30 o percurso de 8 kms em caminhos rurais junto ao Santuário.
Desta vez, contámos com o inestimável apoio da Câmara Municipal de Viana do Alentejo e do Clube da Natureza do Alvito, através da oferta de t-shirts  e águas aos participantes e da excelente marcação do percurso em causa.
Fotos gentilmente cedidas pelos nossos compadres amigos Fernando Quaresma e Paulo Caldeira.

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Campinho

















Junto á aldeia de Campinho, com a Barragem do Alqueva mesmo ali ao lado, o Projeto Alcáçovas Outdoor Trails organizou em 2012 uma caminhada para um grupo pedestrianista vindo da área da Grande Lisboa.
Caminhámos cerca de 20 kms, sempre com uma paisagem natural lindíssima, como se pode observar nestas fotos...
Campinho pertence ao munícipio de Reguengos de Monsaraz e foi freguesia até há pouco tempo.
A cerca de dois kms desta aldeia, existe um pequeno ancoradouro nas margens do Grande Lago Alqueva.

domingo, 25 de setembro de 2016

Vimieiro





 



O Vimieiro é uma freguesia portuguesa do concelho de Arraiolos, com 252,47 km² de área e 1.600 habitantes (2001). Densidade: 6,3 hab/km². Constituída pelas povoações de Bardeira, Venda do Duque e a vila de Vimieiro.
Foi sede de concelho entre 1257 e 1855. São conhecidos dois forais, o primeiro atribuído por D. Martinho Peres, bispo de Évora, em 1257 e o segundo por D. Manuel I, rei de Portugal, em 1512. Era constituído, em 1801, pelas freguesias da vila e de Santa Justa. Tinha então 1.819 habitantes e 266 km². Em 1849 era constituído apenas pela freguesia da sede.
O Vimieiro detém a categoria de Vila.
Sitio aberto, de vastos horizontes, situado numa encruzilhada de caminhos importantes e estratégicos desde a Pré-história.
Terra plurifacetada prenhe de influências, viu, e certamente sentiu, em tempos de transumância passar maiorais serranos do centro de Portugal, na demanda de suculentas pastagens e invernos menos rigorosos, ali, para os lados dos campos de Ourique. Estas enormes caravanas de gentes e animais utilizavam um trajecto, nem sempre pacífico, a pé, através da chamada Canada Real. Após travessia do Tejo, em Vila Velha de Ródão, percorriam os campos de Nisa e Alpalhão até Fronteira, onde se bifurcava a rota. Uns seguiam por oeste, outros para este, voltando a encontrar-se no Monte da Estrada (Vimieiro). Daí rumavam para Venda do Duque, Vale do Pereiro e campos de Évora, prosseguindo até Ourique. O regresso, já com o Verão à porta, processava-se pelo mesmo itinerário.
O seu topónimo, Vimieiro (Lat. vimenaria), gerou controvérsia, mas, recentemente, afastou-se a hipótese de terras de vimes, dada a secura da área, a não utilização de vimes na empa da vinha, nem de pipas e tonéis, mas talhas de barro no fabrico do vinho. Resta, portanto, a colonização interna no sec. XIII por gente do Norte, provinda de localidade homónima do norte de Portugal.
Tem presença humana assinalável desde o Neolítico, sobretudo, no eixo da ribeira de Tera que abrange a linha Vimieiro / Pavia. É uma zona de profusão de povoados, monumentos funerários megalíticos (antas), alinhamentos e menhires. De assinalar a Anta dos Prates, Claros Montes, Caeira, Camaroeira e Bardeira.
A presença Romana é um facto notório, pois aqui passa uma ligação à grã Via Olisipo / Emérita Augusta, restando ainda de pé a Ponte da Frausta, a Ponte do Freixo e vários pedaços empedrados dessa via. O topónimo Fonte Santa, pressupõe uma fonte com virtudes medicinais e divinas do tempo Romano. O topónimo Tourega tem importância arqueológica, ainda de origem Pré Romana, bem como o Vale da Pinta cujo termo arcaico de “Pinta” provem do Latino “Picta”. Este topónimo, aproxima-se dos nortenhos Pala de Pito, Pala Pinta, em que “Pala” era sinónimo de anta, o que ajuda também na toponímia da vila.
A conquista da Península Ibérica pelos muçulmanos, trouxe novas gentes à região. São berberes, islamizados, mas não arabizados, que são relegados para as zonas mais pobres e marginais como a do lugar de Vimieiro. ABD-Al-Rahman, ibn Marwan Al-Jilliqii, líder berbere incontestado, une interesses locais e berberes e ganha posição em relação a Córdova, que acaba por lhe reconhecer a posse de “Bataliyaws”, (Badajoz). Daqui resulta mais tarde o poderoso reino de Badajoz, já no período Taifa, no qual a nossa terra estava incluída.
Fonte: http://terrasdeportugal.wikidot.com/vimieiro-arraiolos

sábado, 24 de setembro de 2016

Exposição "Vivências de Viana do Alentejo"













Idealizada e desenvolvida no âmbito das aulas de História, que têm tido lugar no Pólo de Viana do Alentejo da Universidade Popular Túlio Espanca, durante o ano lectivo 2015/2016, a exposição "Vivências de Viana do Alentejo" foi o fruto da vontade colectiva dos alunos da terra.
Com raízes desmarcadamente etnográficas e antropológicas, esta teve expostos objectos que remetem para uma Viana e um Alentejo que existiu há várias décadas atrás, centrando-se essencialmente na primeira metade do Séc XX.
A escolha da Igreja de Nossa Senhora da Graça para albergar esta exposição, manifesta a vontade de devolver á população local um edifício religioso que fazia parte do quotidiano dos Vianenses de outrora.
Esta exposição esteve patente ao público entre os dias 16 e 23 de Setembro.

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Barragem de Odivelas















A Barragem de Odivelas fica situada no Baixo Alentejo, no concelho de Ferreira do Alentejo, perto da localidade de Odivelas. Construída sobre o leito da Ribeira de Odivelas, esta barragem entrou em funcionamento em 1972. A água aqui armazenada é usada principalmente para irrigação.
Situada a cerca de 6 Km da localidade de Odivelas (Alentejo) daí o nome, e a 150 Km de Lisboa (cerca de 1h45 de viagem).
Para chegar lá se vier de Lisboa apanhe a IC2 ou AE A2 e saia em Alcácer do Sal. depois siga em direção a localidade de Torrão e depois Odivelas. Um pouco antes da chegar a localidade de Odivelas tem uma placa a indicar Parque de Campismo outra a dizer Alvito e outra a dizer Barragem, vira aí á esquerda e depois de 4 Km vire á direita e encontra a Barragem.
As coordenadas de GPS são 38.184170, -8.114304
Mais Informações: http://aquapolis.com.pt/praia-fluvial-de-odivelas-ferreira-do-alentejo-beja/