sábado, 25 de fevereiro de 2017

Carnaval em Viana do Alentejo

O Cortejo de Carnaval em Viana do Alentejo vai ser no Domingo 26FEV...
Apareçam, venham festejar o Entrudo no Alentejo Central !...
A I.O.C.A. ( Ilustre Ordem dos Caretos Alentejanos ) recomenda a participação de todos os caretos alentejanos neste Cortejo Carnavalesco...

Ó entrudo, ó entrudo
Ó entrudo chocalheiro
Que não deixas assentar
As mocinhas ao soalheiro

Eu quero ir para o monte
Eu quero ir para o monte
Que no monte é que eu estou bem
Que no monte é que eu estou bem

Eu quero ir para o monte
Eu quero ir para o monte
Onde não veja ninguém,
Que no monte é que eu estou bem

Estas casas são caiadas
Estas casas são caiadas
Quem seria a caiadeira
Quem seria a caiadeira
Foi o noivo mais a noiva
Foi o noivo mais a noiva
Com o ramo de laranjeira,
Quem seria a caiadeira

versão interpretada por Zeca Afonso
no seu álbum Traz outro amigo também










Fotos de Caretos retiradas da Internet...

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Entrudo Português














O verdadeiro Entrudo Português não tem nada a ver com as pobres raparigas desnudas a tentar imitar o quente Carnaval Brasileiro.
No passado, os foliões festejavam o Entrudo com vestes mal amanhadas e máscaras feitas á mão, de madeira ou cortiça.
Podence, (em Trás os Montes)  ou as aldeias da zona de Gois ( Beira Interior) são dois bons exemplos de como a tradição não se perdeu e está a atrair muitos visitantes nesta altura do ano.
Em Alcáçovas, vamos ter no próximo dia 28FEV, pelas 15H00, um Corso Carnavalesco, organizado pela Associação de Jovens de Alcáçovas.
O Projeto Alcáçovas Outdoor gostaria de poder participar com alguns foliões mascarados a rigor com máscaras de cortiça, mostrando a todos o orgulho nas nossas tradições mais genuínas...
A I.O.C.A. ( Ilustre Ordem dos Caretos Alentejanos), convida todos os caretos alentejanos a participarem neste Corso Carnavalesco.
Quem alinha connosco ?

Ponto de Encontro:  28FEV Jardim Público de Alcáçovas 14H30
Não são necessárias inscrições, basta  aparecer com boa disposição... ( e genuinamente mascarado )

Nota: Fotos retiradas da Internet, algumas da autoria de Paulo Caldeira, Anabela Fialho e Gonçalo Sousa.


quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Percursos Pedestres SAL











Como causar um trauma psicológico num miúdo de 4 anos, ou a história do Capuchinho Amarelo...
Ontem logo de manhã cedo o meu filho apanha-me a sair de casa vestido de amarelo como manda a etiqueta SAL, com mochila, bastão e botas de caminhada e pergunta.
- Pai, onde vais?
- Vou dar um passeio. - Respondo eu.
- E vais passear onde?...
- Ehu... (pensa rápido Jorge) à floresta!
Vejo o terror nos olhos do miúdo e a voz sai-lhe embargada...
- Pai! Vais ser comido pelo lobo!...



Fotos e texto do nosso compadre e amigo José Pedro Calheiros, www.sal.pt

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Na ribeira de Lucefécit com Trip Alentejo













Os nossos compadres da Trip Alentejo não param...
No passado sábado, dia 18MAR, levaram os seus visitantes á Ribeira de Lucefécit, perto do Alandroal.
Como se pode fácilmente deduzir pelas fotografias do nosso compadre e amigo Luís Lobato de Faria, este passeio foi um êxito a repetir...
Assim se mostra e promove o Alentejo por estas bandas...
Com muita vontade de fazer bem, de conviver e fazer amigos.
E, sobretudo, com muita "carolice"...

Ribeira do Lucefécit. Que misterioso ribeiro é este cujo nome é tão temido que um rei sábio se recusou a dizê-lo? Lucefécit significará aquilo que pensamos? E se assim é, por que razão o apelidaram dessa forma?
A Ribeira do Lucefécit corre por terras sagradas, disso temos provas que estão à vista de qualquer um, a começar pelo facto de contornar o Santuário da Rocha da Mina, que poderá estar ligado ao culto de Endovélico. Continua o seu caminho para sul e passa a norte da histórica freguesia de Terena, onde abre alas, transformando-se quase em lagoa. Volta a fechar e segue caminho até desaguar no Guadiana, junto à fronteira com Espanha, deixando para trás vários exemplos de megalitismo em território português.
Abrindo a discussão, Lucefécit poderá derivar tanto do árabe como do latim.
No primeiro caso, Lucefécit poderá resultar da conjunção de vários termos, todos eles árabes, dos quais sobressaem: al e oucif (que significa negro). No segundo caso, falamos de quem o topónimo sugere: Lúcifer. Sendo que tal nome só tem conotação negativa a partir de certo momento da história.
Lúcifer foi a tradução latina feita para descrever Vénus, a estrela da manhã, portadora (ferre) da luz (lux), daí se transformando em lucisferre, que derivou em Lúcifer – antes de endiabrarem tal termo, devemos lembrar que no Novo Testamento, Jesus autoproclama-se estrela da manhã. A igreja, que durante anos tentou demonizar qualquer vislumbre de adoração pagã, onde Vénus obviamente estava incluído, tratou de associar o termo a Satanás, pai dos demónios da natureza. O trabalho foi bem feito, tanto que ainda hoje os cristãos mais crédulos ainda evitam usar o seu nome.
E salta a pergunta: a acreditar que o topónimo tem raízes no latim e não no árabe, para quê dar tal nome a esta ribeira? Hipoteticamente, pela mesmíssima razão. Como já foi dito, estas águas correm por montes sacralizados, onde as referências físicas e simbólicas a deidades pagãs pululam. A escolha deste nome poderá ter servido o propósito de diabolizar uma zona que a igreja via como infiel ao seu Deus único, transformando-se assim numa espécie de espantalho para gestos que o poder clerical considerava como ameaça à sua religião.
Afonso X, o rei sábio, parece não ter dúvidas, e numa alusão à ribeira, recusa-se a pronunciá-lo nas suas Cantigas de Santa Maria: d’un rio que per y corre, de que seu nome nom digo.

Texto copiado do site: http://www.portugalnummapa.com/

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Caminhada em Amieira do Tejo (Nisa)


Caminhada Gratuita de Divulgação em Amieira do Tejo (Nisa)
Dia 04MAR17, inscrições obrigatórias
20 Kms -  Grau de Dificuldade "Dificil"

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Água de Peixes (Alvito)











Água de Peixes é uma herdade situada no concelho do Alvito e fica na estrada entre esta vila e Albergaria dos Fusos.
Propriedade privada, com cerca de 1165 Hectares, esta herdade tem um enorme solar bem conservado e um conjunto de casas típicas alentejanas em ruínas, testemunhos silenciosos da grandiosidade de outros tempos.
Para mim, que sou um apaixonado por fotografar ruínas, este património rural foi um imenso achado e demoraria horas a explorar todas estas casas, tal o manancial de vestígios das vivências de outrora.
Decerto muita gente humilde aqui viveu, trabalhou e morreu...
Comoveu-me muito a lápide que se encontra á entrada de Água de Peixes:


São memórias que perduram no tempo e tenho muita pena que se estejam a degradar a cada dia que passa.
Do Solar, nada a referir. Está muitíssimo bem conservado, mas é propriedade privada e de acesso proibido...
Gostei muito de cão de guarda, foi agressivo no primeiro contacto, mas  depois acompanhou as todas as minhas deambulações de forma bastante amigável...